Fangirl_15: So This Is What MetaFiction Looks Like

22858073
(ARC copy given by NetGalley)
Author: Aimee Roseland
Publication:  8th July 2014
Review by Lady Entropy

Chloe is in love with Lucien.

He’s enigmatic, compassionate, generous and intelligent. Likes classical music just as much as kicking ass and knows his way around a kitchen, though he’d never admit it. He’s gorgeous yet humble and can’t see past his own scars.

The only problem is that Lucien is a character in a novel.

The Dark Riders is one of the best selling paranormal romance series of all time, and it was destined to have eight installments, one for each of the brothers-in-arms. Except the writer died. Worse yet, book seven was finished by some poser that thought killing off one of the main characters would bring a more modern twist to the finale.

Chloe is absolutely devastated by the news that one of her “friends” is dead and that the series is canceled. A midnight escape from the locked office lands her in a deserted parking lot after hours where an unseen force has been waiting.  This supernatural assault strands her in an alternate reality where the Dark Riders are real and the horrible ending created by the publisher hasn’t happened yet.

The greatest strength of this book is how meta it is: an almost obsessive fangirl of a famous romantic urban fantasy series (coughBrotherhoodoftheBlackDaggercough) lives a boring life, wishing she lived in the books she so much loves. Her favourite author dies, leaving another author nobody likes, to complete the series and ruining it forever. And, then, she wakes up inside her beloved series, and proceeds to impress everyone with her secret knowledge of the world, gets adopted into the family and a life of luxury, and ends up finding her amazing powers (and romance with her favourite male character (coughZsadistcough) and never being the victim ever again.

As far as wish-fulfillment fantasies go this is the typical one (a better life + superpowers + wealth + a clique + hooking up with favourite character + being seen as beautiful), but I actually found myself liking how it was pulled off. Now, I know a lot of readers will be turned off by what amounts to Brotherhood of the Black Dagger self-insertion fanfiction (let us not kid ourselves, it is what this is, to the point where I was already addressing the book characters by their BoTBD counterpart’s names in my head — despite the nod to the Dark Hunter series). However, it is still written in a way that I could not fault the writer for, and I still empathized with the main character – certain parts were heartwrenching (I can totally relate to seeing someone taking a favourite book series of yours, and handing it to someone who basically ruins it while desperately trying to get more money out of it – the Chronicles of Amber comes to mind.)

I think the author tapped into a very specific aspect of being a fan of a series of books and managed to put into words things that we all felt before, and that is, I feel, the strong suit of the book.

Ultimately, I think I would recommend this to BotBD fans, because if you take away that particular aspect of the novel, it ends up losing most of its entertaining value, and you miss most of the nods to the main series.

Advertisements

A May bride

18626241A May bride
(A Year of Weddings 1 #6)
Meg Moseley
124 pages
Published April 22nd 2014 by Zondervan

ARC provided from the publisher via Netgalley for an honest review

She’s prepared for her wedding all her life … but she forgot a few things.

This novella is not really a romantic, I think that the series have started to focus more on religion/God than the romance itself, which is a shame because the authors have forgotten to develop the relationships and feelings.
In a May Bride, Moseley focused on the theme of religious extremist that can lead to sorrow and bitterness and tear a family apart. Continue reading

A March bride

18168249A March Bride
(A Year of Weddings #4)
Rachel Hauck 
120 pages
Published February 25th 2014 by Zondervan

ARC provided by the Publisher through Netgalley for an honest review

I found that in a series of 12 novella, not enjoying one is normal. Actually I am surprised that I haven’t only given one star so far given that this is series of Christian novellas. However, this one was a big nono 😦

The beginning started off a little shaky but I understood the conflict and it seemed like a fairly good one… until the author lost track of what she wanted to tell.
Susanna was for 80% of the time weak because the author wanted her to be like that for plot convenience, Nathaniel was cliche and a lousy king to be pretty honest, even the citizens of Brighton lacked in personality. Continue reading

Mini review: A February bride

18168277A February Bride
(A Year of Weddings 1 #3)
Betsy St. Amant
120 pages
Published January 28th 2014 by Zondervan
ARC provided by NetGalley for an honest review

Compared to the previous book, the bride from January, Allie is not such a great protagonists. She is conflicted and sure that she will fulfil the curse from her family just because all women had failed marriages in her family. In this one you could feel the influence of Christian messages. Nevertheless I wish Allie would have been different, more bold and courageous! She was the one creating her own problems with almost no need. Like Merida said in Brave: there are those who say fate is something beyond our command. That destiny is not our own, but I know better. Our fate lives within us, you only have to be brave enough to see it.

Happily ever after guaranteed. Allie left the love of her life at the altar—to save him from a lifetime of heartbreak. When a Valentine’s Day wedding brings them back together, she struggles against her family’s destructive history. Can Allie ever realize that a marriage is so much more than a wedding dress? History repeats itself when Allie Andrews escapes the church on her wedding day—in the same dress passed down for generations and worn by all the women in her family—women with a long history of failed marriages. Allie loves Marcus, but fears she’s destined to repeat her family’s mistakes. She can’t bear to hurt Marcus worse. Marcus Hall never stopped loving Allie and can only think of one reason she left him at the altar—him. When the two are thrown together for his sister’s Valentine’s Day wedding, he discovers the truth and realizes their story might be far from over. Can Allie shuck expectation and discover who she is as a bride and in the Bride of Christ? And if she ever walks down the aisle, what dress will she wear?

Mini-review: A January bride

18168267A January Bride 
Deborah Raney
(A Year of Weddings 1 #2)
Published December 24th 2013 by Zondervan
3star

 

ARC provided by NetGalley for an honest review

Ahhh my favourite so far! Madeleine chemistry with Arthur is amazing. The plot conveyed by Raney gives us a good humour small novel with misunderstandings and lots of feelings. Arthur is a gentleman and Madeleine is an endearing female protagonist. The author managed to slowly build their romance in the few pages she had and, once again, without noticing the “Christian” part. I will be looking forward to read more books by Deborah Raney.

Who can work in a house that’s overrun by contractors and carpenters? Not Madeleine Houser, a successful novelist who gladly accepts the help of her octogenarian friend, Ginny, to arrange for a temporary office in the charming bed and breakfast owned by Ginny’s friend, Arthur. Maddie’s never met the innkeeper––but a friendship grows between them as Maddie and Arthur leave messages for each other each day. To Maddie’s alternate delight and chagrin, she seems to be falling for the inn’s owner––a man who’s likely many years her senior––and who she’s never even met.

Mini-review: A december bride

18221496 (1)A december bride
Denise Hunter
Published November 26th 2013 by Zondervan
120 pages

3star

 

 

 

ARC provided by NetGalley for an honest review

This novel was all cute and lovely!
A December bride is an endearing novella, perfect to be read during Christmas time. Seth is a male character that many female readers will appreciate for his dear personality. He protects her without overwhelming her and treats her right. That’s right, you can read a sweet novel where the protagonist is not an asshole and still enjoy it!
I then found out that these books were Christian romances and I even liked it more! Although I am not a religious person, I like when a book conveys religious messages without being too aggressive.

What started as a whim turned into an accidental – and very public – engagement. Can Layla and Seth keep up the facade in Chapel Springs this holiday season – for the sake of her career . . . and his heart?

Under normal circumstances, Seth Murphy, the best friend of Layla O’Reilly’s ex-fiance would be the last person she’d marry. But the news of their upcoming (and phony) nuptials convinces a big client that Layla may be high-society enough to work for his agency, a coup that would put her fledgling home-staging business on the map. Seth has secretly loved Layla for years, even when she was dating his best friend. Maybe she’ll never forgive him for the way he hurt her back then, but he has to try. And Layla is willing to keep up their engagement farce until she’s landed her client. For Layla, it’s the chance to save her career. But for Seth, it’s his last chance to win her heart.

Do céu, com amor

Do céu, com amor
Michelle Holman
Quinta Essência
408 páginas
Lido em ebook
Publicado em Abril de 2013

Do céu, com amor é uma leitura breve, intensa que satisfaz o leitor e transmite valores e mensagens bonitas através de personagens cativantes, situações engraçadas e diálogos repletos de humor.

A atribuição de quatro estrelas a livros de chick-lit não é muito comum neste blogue, no entanto a obra de Michelle Holman merece todos esses pontos. São raros os livros que têm uma protagonista feminina tão rica, cuja relação amorosa é ao mesmo tempo terna e sensual. Holman tem uma escrita simples adequada ao género com vocabulário característico da Nova Zelândia, dando uma componente mais regional ao discurso. A escrita neste caso foi essencial para a fluidez da leitura com um ritmo narrativo sem qualquer falha e é aqui que muitos livros chick-lit falham: ou são demasiado curtos sem tempo para aprofundar uma relação, ou engonham com repetições dos pensamentos das personagens. Continue reading

A travessia

A travessia
WM. PAUL YOUNG
Páginas: 304
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-04235-4

Sinopse:

Anthony Spencer é um empresário de sucesso, um homem orgulhoso e egocêntrico que não olha a meios para conseguir os seus objetivos. Um dia, o destino prega-lhe uma partida: um AVC deixa-o nos cuidados intensivos, em estado de coma.
Entre a vida e a morte, Anthony vê-se num mundo que espelha a dor e a tristeza que tem dentro de si. Confuso, sem compreender exatamente onde está e como foi ali parar, viaja pela sua consciência para compreender quem realmente é e descobrir tudo o que tem perdido ao longo da vida: a esperança, a amizade genuína e o amor verdadeiro, sentimentos que há muito o seu coração deixara de sentir.
Em busca de uma segunda oportunidade, Anthony fará uma jornada de redenção e encontro com o seu verdadeiro ser.
A travessia é um misto de momentos alegres, com momentos de reflexão e ainda alguns de sermão religioso, mas que no fim a mistura assenta bem para aqueles leitores que quiseram sair da “Comfort zone”. Este livro não dá para ter uma só review, é daqueles que várias pessoas com diferentes pontos de vista vou ora adorar ora odiar. Para um religioso este livro pode ser espectacular porque mostra uma viagem de redenção e de como Deus está sempre presente nas nossas vidas. Para um ateu, a viagem já é menos fascinante, talvez porque existem períodos de narrativa só concentrados em explicar coisas a Tony, que na mente de um ateu são impossíveis. Contudo, se tivermos em conta que Jesus e Deus nesta viagem são apenas personagens fictícia criadas pelo sub-consciente de Tony, a leitura muda de figura. 
A travessia vai depender totalmente da mente do seu leitor, não obstante existem factores que nunca pensei vir a ler num livro de um best-seller: infodump e tell no início do livro. Ainda que o narrador nos diga que Tony é uma pessoa horrível e desprezível, não sentimos nada disso. Nunca vimos Tony a fazer nada de mal porque no início tudo nos é dito. No entanto Young rapidamente se arrepende de ter começado o seu livro aos trambolhões e brinda-nos com uma personagem espectacular: Maggie. Ao contrário de Tony, Maggie não é caracterizada de forma directa, mas sim através das suas acções. Ela é respondona, amiga do seu amigo e carinhosa – talvez por querer representar algo totalmente oposto a Tony, estes dois acabaram por se tornar numa dupla boa e dinâmica, algo que a narrativa estava a implorar desde o início.
A moral da história é universal: talvez por isso tenha achado o livro bom a nível de moralismo e de lições de vida, mas a parte “ficcional” ficou aquém. Provavelmente Young queria escrever um livro sobre religião mas sem se tornar maçudo, ou então queria escrever um livro de ficção mas com religião para apelar a mais leitores. Em ambos os casos não é preciso Jesus nem Deus para uma pessoa aprender a endireitar-se e olhar pelos outros. Ou talvez o Jesus de Tony nunca existiu e fora apenas uma imagem criada pelo subconsciente dele em forma de algo socialmente aceite para que este aprendesse os valores básicos da solidariedade. Para o leitor interessa apenas que Tony tenha aprendido a sua lição ainda que o fim seja aberto para, de igual forma, haver diferentes interpretações. Mesmo no fim tudo irá depender do que é o leitor acredita e da forma como ele julgou a personagem de Tony: será que ele merece uma segunda oportunidade? Se Deus e Jesus foram mesmo personagens tiradas da imaginação da personagem então essa segunda oportunidade será impossível de conceder visto que a religião nunca sobrepões a ciência. Se, por outro lado, quisermos mostrar a misericórdia de Deus, então aí sim, Tony poderá ter uma segunda oportunidade, pois nada de bom advirá com a primeira opção. A primeira é mais realista e dependerá se somos pessoas de fé ou de ciência.
Ainda que com falhas a nível ficcional, o forte da Travessia é mesmo a mensagem, tentando passar uma mensagem universal de redenção e de bondade, fazendo uso de simbolismos ora religiosos ora metafísicos para ateus, e ora tentando convencer-nos que a fé salva vidas ou que a própria vida encarrega-se de castigar os maus. A pessoa está no centro da acção e é ela a responsável pela sua viagem ou travessia do seu subconsciente, de forma a conseguir aquilo que o seu consciente não conseguiu alcançar. Uma coisa é certa: nunca irão ler uma opinião semelhante deste livro.
  • Mensagem universal e bonita;
  • Um livro que pode ser lido com diferentes pontos de vista.
  • Infodump e tell exagerado;
  • Algumas partes referentes a religião parecem sermões e a narrativa estaca.

Anna e o beijo francês

Anna e o beijo francês
Stephanie Perkins
Editora: Quinta Essência
288 páginas
Sinopse:
Anna Oliphant tem grandes planos para o seu último ano em Atlanta: sair com a melhor amiga, Bridgette, e namoriscar com um colega no cinema onde trabalha. Por conseguinte, não fica muito contente quando o pai a envia para um colégio interno em Paris. As coisas começam a melhorar quando ela conhece Étienne St. Clair, um rapaz deslumbrante – que tem namorada. Ele e Anna tornam-se grandes amigos e as coisas ficam infinitamente mais complicadas. Irá Anna conseguir um beijo francês? Ou algumas coisas não estão destinadas a acontecer?

Há livros que são românticos e que nos conquistam e existem outros que pela sua simplicidade entram no nosso coração. Anna e o beijo francês é um livro terno criado para adolescentes, mas que serve para todas as idades, talvez por ser tão querido e simplista. E simplista neste caso não se traduz em mau, mas sim numa lufa de ar fresco.

Anna e o beijo francês tem todos os ingredientes para um livro YA: há dramas, romance, traições, jovens a fazerem asneiras e a aprenderem com as asneiras. Mesmo os pais não estando presentes, sente-se a sua influência. Não era um livro de adolescentes se os pais não fossem horríveis e andassem a aniquilar a vida dos seus filhos: been there, done that! Parece que Perkins pegou em todos os sentimentos que já tivemos enquanto adolescentes e acertou nos pontos certos: as inseguranças, as brigas constantes entre amigos, as pazes, os mal-entendidos e, claro, a ternura de ser adolescente e a ingenuidade. 
Anna é uma personagem bastante querida e Perkins arriscou bastante ao fazer deste primeiro livro um narrador na 1º pessoa. É sempre arriscado escrever livros na primeira pessoa, porque se o leitor não simpatiza com a personagem está o caldo entornado, mas isso não se passa com Anna. Adoramos a miúda, porque ela é um quase-reflexo do que já fomos: apaixona-se, tem vergonha do pai, é insegura, mas leal aos amigos, muito divertida e tem objectivos de vida como todos nós. A sério, até consegui fechar os olhos ao Caps Lock porque estava tão entusiasmada, também a falar em Caps Lock na minha cabeça, do tipo OMG, I KNOW, RIGHT? (sim, isto de falar com personagens fictícias dentro da minha cabeça em Caps Lock não deve ser muito saudável, mas que se lixe). 
Já Étienne St. Clair é um rapaz simples, brincalhão, complexo e dividido mas que faz um par perfeito com Anna. Talvez Perkins mostre que as melhores relações acontecem depois de uma amizade bem cimentada e que nenhuma relação é fácil, mesmo entre jovens com sonhos. As personagens secundárias estão bem desenvolvidas, embora Perkins use uns clichés manhosos típicos das escolas americanas com uma miúda má como as cobras e gajos idiotas que inventam rumores (ok esta dos rumores também aconteciam nas nossas escolas).
“Anna e o beijo francês” recuperou o brilho que eu tinha quando jogava RPG’s e no fim o herói beijava a heroína e era esse o clímax romântico: um beijo! Apenas um beijo e entravamos em delírio porque depois de tanta coisa, eles ficavam juntos! Não era preciso ir mais longe porque aquele gesto significava que eles iam ser felizes para sempre e o livro fez com que sentisse uma saudade enorme desse pequeno toque. Se têm sobrinhas, filhas, netas, irmãs adolescentes – este livro é para elas. Para elas saberem que todas nós já tivemos caidinhas por rapazes e que já fomos como elas, ou então para rir com o quão trengas eramos quando tínhamos a idade de Anna! Afinal podemos pensar que o mundo nos odeia e o karma está contra nós, mas no fundo esta história ensina-nos que tudo se resolve mais cedo ou mais tarde.
Off-topic:
Estou viva… barely! Ou a gastrite voltou, ou estou quase a falecer… Em ambos os casos, tenho aqui imensos livros para ler e esta semana, se entretanto não falecer, faço reviews deles todos.

Diz-me quem és

Diz-me quem és
Jessica Bird
Editora: Quinta Essência

Sinopse:

Grace Hall é uma socialite deslumbrante, rodeada de glamour, privilégio e riqueza, mas a sua fortuna fez dela o alvo de um louco que anda a matar as mulheres mais influentes de Manhattan. Para se proteger, Grace exige o melhor dos guarda-costas – e depara com muito mais do que esperava. 
John Smith é um especialista em segurança intransigente e frio que é tão dedicado ao seu trabalho como é mortífero. Mudar-se para o luxuoso apartamento de cobertura de Grace é a última coisa que deseja, mas é impossível dizer-lhe que não. Quando explica as regras à sua nova cliente, surgem entre eles faíscas, bem como um desejo incendiário. Com Grace nos braços, John dá por si a baixar as próprias defesas. À medida que as noites amenas se tornam escaldantes e o assassino se aproxima, Grace e Smith enfrentam uma escolha crucial: seguir as regras ou seguir os seus corações.
Gosto mais das personagens femininas da Jessica Bird do que as da Ward… o que é estranho porque são a mesma pessoa… Mas parece que quando a Bird aparece, as personagens femininas deixam de ser florzinhas e passam a ser mulheres importantes e ao menos algo digno do século XXI.  Talvez por isso ache que me vou dedicar a ler só os livros dela como Bird e deixar a Ward de lado.
História:
Estrutura sólida com excelente pacing e momentos de tensão. John está a fazer de guarda do Emabixador quando vê Grace e fica completamente caidinho por ela, o encontro entre ambos culmina num beijo que John e Grace tentam esquecer, mas depois há algo que faz com que ambos tenham de conviver juntos. O assassino é um bocado óbvio, adivinha-se quase mal ele aparece, mas ainda que as mortes sejam um ponto essencial na relação entre Grace e John, o sexo e tensão sexual entre os dois cobre o resto.
Personagens:
Ao princípio quando se sabe que Grace é casada, poucas esperanças há que haja realmente algo mais entre ela e John. Visto o conde estar sempre ausente, torna-se relativamente fácil apaga-lo como personagem: longe da vista, longe do coração… do leitor. Esperava que ele aparecesse e que Grace fosse obrigada a conviver com ele para manter as aparências do seu casamento, mas tal não aconteceu. O que torna muito mais fácil para o leitor imaginar que ela é solteira. Ela é uma mulher de negócios eficiente, triste pelo recente falecimento do seu pai que lhe deixou a empresa e para além de estar na lista de “to kill” de um assassino, ainda tem de aguentar a pressão de ser uma mulher a liderar uma empresa repleta de homens que a querem ver porta fora. Apesar de tudo para uma condessa, ela consegue superar tudo, suck it up e ir em frente.
John Smith é um homem duro, com treinamento militar impecável e que quer tentar manter as coisas profissionais, mesmo que não o consiga. Enquanto Grace evolui para se tornar numa mulher confiante sexualmente, John cresce para um homem que está pronto para abrir o seu coração e tornar-se num homem que todas as mulheres desejam: querido, protector e espectacular na cama… ok talvez possamos tirar o querido. Ao contrário do que se pensa, John não muda. Simplesmente aprender a deixar uma parte de si escondida, vir à superfície.
Veredicto final:
Diz-me quem és é um livro sobre evolução de personagens e como duas pessoas completamente diferentes, de mundos opostos conseguem ser tão perfeitos um para o outro. É um novo tipo de “damsel in distress” apesar de tudo, embora Grace corra perigo e John tenha de a proteger, nada na personagem feminina grita “frágil” ou “helpless”. Talvez seja bom, de vez em quando, sabermos que temos alguém a proteger-nos e que se algo correr mal temos alguém a quem correr. 
  • Personagens cativantes;
  • História sólida.
  • Ver a história do pai de Grace mais explorada.

Para quem gostou deste livro, o 2º sai em Setembro:
Sinopse:
A conservadora de arte Callie Burke não está contente com a sua lucrativa nova missão. Restaurar uma obra-prima adquirida pelo implacável magnata Jack Walker devia ter sido o projeto de uma vida. Mas o problema não é o quadro – é que o sensual proprietário é uma obra de arte perfeita de seu próprio direito. A atração é recíproca, mas Callie sabe que misturar negócios e prazer é má idéia – e não apenas porque ela não pertence àquele mundo de privilégios: ela tem um segredo a esconder… um segredo que deve permanecer enterrado. No entanto, depois de se mudar para a mansão de Jack para fazer o trabalho, a centelha inegável entre ambos transforma- se numa paixão que tudo consome… e o passado oculto dela ameaça destruir qualquer possível futuro para eles.  Ao dar nova vida ao quadro, Callie sabe que o seu tempo com Jack é limitado… a menos que o amor possa de alguma forma encontrar uma forma de transformar um solteirão inveterado no marido dos sonhos dela.