A grande revelação

A grande revelação
Série Bridgerton – Volume IV
Julia Quinn
Edições ASA
376 páginas

A grande revelação chegou às livrarias portuguesas e consolidou a autora Julia Quinn para aqueles mais cépticos em relação às suas obras. Se o primeiro não me aqueceu, nem arrefeceu e o terceiro fez com que ficasse curiosa o suficiente para prosseguir a leitura de mais um volume, A grande revelação, muito por culpa da sua protagonista adorável, fez-me ficar ansiosa pelo próximo volume (que segundo a ASA vai chegar bem rápido).

Mas quais os ingredientes que fizeram com que o quatro volume da série Bridgerton fosse tão bom?
Tem mistério? Tem!
Tem cenas adoráveis e de humor? Tem!
Tem cenas que fazem o leitor corar? Tem!
Tem cenas que criam lágrimas nos olhos do leitor? Sim!

Embora conheçamos Penelope dos outros livros, é altura de ela brilhar neste. E assim o faz. Não sendo possuidora de muita beleza, Penelope compensa com uma personalidade cativante, diálogos e interacções com Colin que nos fazem sorrir mesmo que sem isso seja preciso a intervenção dos irmãos. Tal como o seu antecessor, a história parece mais um recontar da Cinderela, embora desta vez seja a amizade que evolui para amor. Colin e Penelope embora se conheçam e sejam bons amigos não podiam estar mais longe de entender o que cada um sente. Penelope é rebaixada pela sua mãe que decidia tudo sobre a sua vida e ainda que se tenha apaixonado por Colin há quase séculos, este não se mostra minimamente interessado nela.

Um aspecto muito positivo em “A grande revelação” é que existe uma plot (descobrir quem é Lady Whistledown) e uma sub-plot romântica de forma a não enjoar de tanto romance e beijinhos. Ambas as partes complementam-se e dão harmonia e fluidez à leitura tornando-a viciante.

Julia Quinn estabelece aqui um ponto de viragem na série que começou morna, mas aos poucos foi ganhando profundidade e uma dinâmica nova. “A grande revelação” ensina-nos que a amizade pode evoluir para amor e que um casal deve sempre complementar-se; que por mais anos que conhecemos as pessoas, elas mantêm segredos e só o amor pode dar a confiança necessária para revelarmos esses segredos à pessoa que mais amamos. Quinn também nos ensina que as aparências não são aquilo que parecem, mas que a beleza não é tudo e uma mulher apaixonada e inteligente é muito mais atraente que uma mulher bonita.

Talvez por isso consegui dar as quatro estrelas, por Quinn quebrar as amarras da típica história de amor num setting de época e pega num casal para passar valores universais.

Uma leitura bastante boa que me encheu as medidas, ao menos os leitores não vão ter de esperar muito para ler o próximo livro!

O coração de Penelope Featherington sofre por Colin Bridgerton há… não pode ser!?? …mais de dez anos? Sim, essa é a triste verdade. Dez anos de uma vida enfadonha, animada apenas por devaneios apaixonados. Dez ingénuos anos em que julga conhecer Colin na perfeição. Mal ela sabe que ele é muito (mesmo muito) mais do que aparenta… Cansado de ser visto como um mulherengo fútil, irritado por ver o seu nome surgir constantemente na coluna de mexericos de Lady Whistledown, Colin regressa a Londres após uma temporada no estrangeiro decidido a mudar as coisas. Mas a realidade (ou melhor, Penelope) vai surpreendê- lo… e de que maneira! Intimidado e atraído, Colin vai ter de perceber se ela é a sua maior ameaça ou o seu final feliz. ps: este livro contém a chave do segredo mais bem guardado da sociedade londrina.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s