Tidy Friday: especial calor, God I’m melting

Tal como todos vocês… mas aposto que vocês ou estão na praia ou no escritório com ar condicionado! Don’t get me wrong, eu até gosto do Verão, mas isto de nascer gaja e ter de fazer a depilação para ir para a praia e ver se os bikinis não passaram de moda é demasiado trabalho. Ah e ainda não poder ir para a praia porque como neste momento a minha barriga é um peixe balão em movimento não posso ir para a praia a parecer grávida de quatro meses -.-” Por isso fico estilo toupeira, no meu cantinho, dentro da minha casa que é um gelo a fazer coisas, tipo ler, ler, ler, procrastinar e assassinar o português de vez em quando.

A verdade é que depois de meio ano desempregada não tenho vontade de fazer nada! Também culpo o calor… mas mais o facto de sentir que não estou a fazer nada de produtivo para a sociedade. Por isso a motivação para escrever reviews é mínima. (Tentem imaginar uma mulher depressiva… agora juntem-lhe uma ruiva depressiva e a coisa não acaba bem) O facto de ter passado a última semana no hospital também não ajudou (quer dizer ajudou na leitura), estou farta que o meu namorado esteja de consulta em consulta sem que ninguém consiga dizer o que ele tem (e isto já vai há um ano) e estou farta que o meu corpo também se manifeste. Se tomo anti-bióticos fico enjoada e tenho de me deitar; se não estou atomar alguma medicação dão-me dores ou o meu estômago decide parar de funcionar for a while. Se conhecerem um corpo com o mesmo número de mamas, enviem-me, porque este aos 24 anos já passou o prazo de validade.
Também não ajuda estar a ler livros/manuscritos maus. Claro que contribui para o meu mau humor, mas estou farta de me repetir nos conselhos que dou. Literalmente são sempre os mesmos! Porque são sempre os mesmos problemas e fico de mau humor e depois começo a ler um livro inglês e fico feliz. Sim até aqueles livros copy/paste 50 shades conseguem ser melhores, e eu pergunto-me: como é possível? Como é possível que livros com uma história fraca conseguem motivar mais um leitor do que alguns livros de autores portugueses que estou a ler que são confusos/seca/não têm história? Tenho uma amiga minha que diz que não lê livros portugueses porque sempre que pegava num era mau e por isso prefere ler estrangeiros que sabe que são bons e mais baratos. E vocês dizem: mas também há livros maus estrangeiros. Sim, há, mas para compensar existem 30 bons para esquecer 5 maus. Os últimos três livros portugueses que peguei são para esquecer, até mesmo com revisão estão com erros. Ante-ontem enviei um manuscrito para trás em que os meus conselhos era: reescreve a história toda. Tive a dizer ao autor como começar a história dele, os episódios de palha que tinha de cortar, os momentos de plot twists que não podiam estar todos uns em cima dos outros. Houve um livro da Chiado Editora que me apeteceu enviar para trás a lápis todo reescrito e com uma estrutura decente. Não gostam de ler? Fixe, vejam uma série, joguem um jogo, vejam anime e a estrutura está lá. Querem uma série fixe para ver o “show don’t tell”? Vejam “The Red Dwarf”, querem um anime com twists vejam “Death Note” até meio da segunda season, querem jogar qualquer coisa? God of war/The Last of us – o The last of us tem partes muito boas de show e de tell com enredo. Sem necessidade de workshops de escrita criativa da tanga, nem cursos de escrita no Facebook. Peguem num jogo/série/anime e analisem: o que é que se passa no início e depois? Quando é que um twist acontece? E depois comparem com o que têm.

– Ana, todos os livros precisam de twists?
Não, nem todos. Aliás aconselho um ou dois plot twists num livro, mais já é abusar da sorte e pode tornar a história confusa. Mas um de vez em quando dá jeito. E quando digo twists, I mean coisas que ninguém prevê, chegar a meio da história e dizer aos leitores: suprise, bitches, you weren’t expecting that, were you?

É só para não dizerem que eu só me queixo sobre livros!

– Ana, preciso de planear tudo antes de escrever?
No, há muitos autores que não planeiam quando escrevem, mas planeiam sempre quando revêm. O processo de revisão não é só ver os erros que nos escaparam, é ver se a história funciona como está, se há algo que ficou não tão bem explicado, alguma ponta solta, se as cenas estão a demorar demasiado, se há algo que deve ser cortado, etc. Uma editora americana disse-me que um manuscrito está pronto a ser enviado quando consegue-se ler 10 vezes e continua-se a gostar dele mesmo depois dessas 10 vezes. E suprisingly, it works. Há manuscritos que li, que nao me importava de ler mais do que uma, duas, três vezes. Já outros mal uma consegui. Isto é um grito de desespero, porque eu sei e muitos autores sabem que nem sempre o primeiro livro é um winner, se calhar nem vai ser o segundo, nem o terceiro. Os autores podem até escrever 10 livros se não tiverem uma noção mínima do que é uma estrutura (que se vê em muitos livros), não adianta. Não adianta dizerem-me: o livro é uma seca no início, não se passa nada, mas depois da história começar, melhora. Primeiro, isto é errado. Porque não há metades em livros (ou pelo menos não devia de haver). Um livro é um todo, é uma história, se o autor esqueceu-se que devia de haver uma história no início, her/his fault (e fault ainda mais do editor que não o alterou para isso). Se a história é fixe, mas só começa a meio, então toca a rever as primeiras partes para o autor não desistir.

– Mas, Ana eu quero primeiro apresentar o meu mundo e as minhas personagens, há algum mal nisso?
Desde que não te demores (and by that I mean no more than 5 pages with that), sure. O problema não é um capítulo que nos vai matar, é quando são vários capítulos onde nada se passa e o leitor fica com a pergunta: estou a ler isto para quê mesmo? Qual é o propósito da minha leitura? Qual o significado da vida? Quem sou eu? (Ok isto é um bocado mais metafísico, but you get the idea).

So, chop chop, se sabem que este é o vosso problema, façam algo para evitar! Que nenhum beta-reader aceite este tipo de frases:
– Lá para o meio fica melhor;
– A acção começa só no décimo capítulo;
– Pois… história… não sei muito bem como a fazer;
– Eu escrevi três capítulos sobre a personagem porque queria que o leitor soubesse tudo sobre ela;

Se os autores dizem isso, é motivo para dar-lhes na cabeça e dizer: honey, a book does not swing THAT way! Por isso sejam felizes, bring me ice cream, porque estou a morrer de calor e escrevam, mas tenham atenção a como escrevem porque a tia Ruiva anda a ficar deprimida…
(Eu juro que esta Tidy Friday ia ser sobre videojogos…. mas comecei o texto e nunca mais me calei… olhem, fica para a próxima)

Advertisements

5 thoughts on “Tidy Friday: especial calor, God I’m melting

  1. Adeselna Davies says:

    ATENÇÃO: nem todos os livros portugueses são maus! Nos meus beta-readings consegui ler livros muito bons, mas esses claro, estão para ser publicados por grande editoras ou em vias de 😛

  2. Olinda P. Gil © says:

    Doentinha: não vale!
    Calor? Devias estar no Alentejo num contentor ao sol e logo vias o que era calor.
    Pessoas que não gostam de autores portugueses e só lêm livros da Chiado… Pois… Enfim…

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s