O teu relâmpago na minha paz

O teu relâmpago na minha paz
Luís Miguel Raposo
Editora: Alfarroba
Páginas: 226

O romance não planeado que o arrebatará na turbulência das letras.

A sinopse é bastante curta para quem vai pegar no livro, mas para quem o acaba de ler, é de alguma forma um bom resumo. 
O ponto forte da prosa de Raposo é a maneira como este combina a prosa com a poesia, o ponto mais fraco é a pontuação e a história em si que é (quase) nula. Este romance tem um tom assumidamente português. Se a história fosse mais forte, teria sido publicado ao lado de valter hugo mãe e José Luís Peixoto. Contudo vamos por partes. 
 A linguagem utilizada está bem aplicada, existem partes onde bebemos as palavras escolhidas por Raposo. Todavia a pontuação é o calcanhar de Aquiles do livro. Existem trechos de poesia onde não é apresentada uma única vírgula, impossibilitando a leitura, e, por outro lado, temos uma prosa quebrada, repleta de pontos finais, que torna a leitura pausada, lenta e aborrecida. De modo a poder inovar é preciso, primeiro, conhecer bem a pontuação e como maleá-la. A ausência de maiúsculas não é difícil de assimilar para quem está habituado, para outros pode-se tornar exigente. 
A história não consta nos pontos fortes. joão pedro é um homem com uma vida normal, com uma relação amorosa “estável”, quando encontra carla, que lhe mete a vida de pernas para o ar… e pronto é isso a história! O excesso do nome de carla, o excesso do eu relacionado com a carla, o que torna um livro de 226 páginas demoroso de ler. 
O que torna este livro único é o cunho pessoal do autor. Quando o lemos, sentimos que estamos a ler algo de diferente. Um livro não é só um amontoado de palavras, mas sim uma história que pode estar bem ou mal contada. Aqui o POV do autor homodiegético prejudica a aproximação do leitor às personagens. Torna-se impossível sentir algo pelas personagens quando tudo nos é contado por joão pedro. As acções de carla, rita e vera são-nos contadas da sua prespectiva, o que condiciona sempre a veracidade dos acontecimentos. Talvez carla seja uma mulher forte e apaixonada, mas pelas palavras do narrador depreende-se apenas o que ele nos decide contar. Quando o autor está de bem com carla, esta tem um efeito positivo nele, quando carla não está nos seus dias, é-nos apresentada como alguém má, uma espécie de anti-heroína. Este factor é redutor para um leitor mais atento e exigente. 
 Em suma, “o teu relâmpago na minha paz” traz um título bonito, um design cativante que beneficiaria de um editor atento e experiente, de forma a contraria o autor em algumas partes. O livro prova que alguns autores portugueses sabem brincar com a linguagem e pontuação. Faltou um danoninho para ser algo espectacular.
Advertisements

About Adeselna Davies

Occasionally works as an English and German teacher, also loves to read all kind of books and wish someone would pay her to read and write reviews forever. She is also a magazine designer and writes short-stories.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Blog stats

NetGalley Wellness Challenge

August 2012
M T W T F S S
« Jul   Sep »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Goodreads

Livro do mês

Follow Illusionary Pleasure on WordPress.com

IL Buttons

%d bloggers like this: