No meio do homem reside (literalmente) toda a sua virtude

#1 Beyond the Highlander mist
#2To Tame a Highlander
#3The Highlander’s Touch
#4Kiss the Highlander
#5The Dark Highlander

Como o tempo em que lia livros em papel escasseia devido à quantidade de tempo que passo em frente ao pc ser completamente desproporcional, decidi começar a ler uns ebooks durante as minhas viagens de comboio, que raramente são uma animação. Comecei por ler dois ebooks da Lora Leigh que descartei por ser o típico gaja-inocente-meets-man-with-ZOMG-HUGE-PENIS! Acreditem ou não, take this advice for life, não há nada pior que mulheres passivas e submissas. Até porque a única coisa que nos passa pela cabeça no momento é: morram o mais rapidamente e dolorosamente possível!
Por isso peguei nos livros da Karen Marie Moning também para apalpar terreno quanto à escrita – o meu objectivo era ler o Darkfever primeiro. A verdade é que se cheguei até ao 5º livro é porque a série não é má, mas também não é nada de mais. Na minha opinião existe tantos factores positivos, como negativos e as personagens são o ponto principal, visto que a história é um pouco vira-o-disco-e-toca-o-mesmo.
Karen Moning aprendeu algumas coisas com a Meyer – especialmente no facto de as mulheres nunca serem nada de especial, mas aos olhos dos homens são sempre lindas e invejáveis (vá-se lá saber porquê). A verdade é que as personagens apesar de serem todas mulheres “modernas” e com uma língua afiada acabam sempre por sucumbir aos encantos que os corpos dos homens lindos emanam.
A esta hora do campeonato não sei se suspiro de alívio por algumas mulheres serem arqueólogas ou físicas (thumbs up for girls with brains and Phds) ou chorar por todos os homens serem o estereótipo de músculos, maravilhosos na cama e mandões.
O que torna a série comestível é mesmo o balanço que existe entre Mulher e Homem e pequenas alterações para que a saga não fique aborrecida. A fórmula é simples:
– Homem/Mulher viajam no tempo (ou para a Escócia do século XVI ou Escócia/América do século XXI);
– Homem e Mulher têm ambos personalidades ditas “fortes”: Homem é sempre todo bom e importante – mulher na sua opinião é normal – mas é sempre inteligente e pronta a mandar bitaites;
– Existe sempre um pouco de mitologia a brincar com o destino dos protagonistas;
– Eventualmente ambos cansam-se de brincar ao rato e ao gato e acabam na cama;
– Tanto a mulher como o homem adoram o sexo e sentem-se logo apaixonados e nas nuvens;
– Mulher/ Homem regressam ao seu mundo – o que deixa ambos muito infelizes;
– Em ALGUNS volumes – a mulher acaba grávida (de preferência de gémeos que é para mostrar o quão másculo é o seu homem).
O único volume da série que escapa um pouco a esta receita é o segundo: To Tame a Highlander.
Em suma a série é (so far) engraçada para quem gosta de ver estas dicotomias da projecção dos corpos tanto homem e da mulher, mas para aqueles que gostem de uma leitura mais profunda é dispensável.
Advertisements

About Adeselna Davies

Occasionally works as an English and German teacher, also loves to read all kind of books and wish someone would pay her to read and write reviews forever. She is also a magazine designer and writes short-stories.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Blog stats

NetGalley Wellness Challenge

May 2011
M T W T F S S
« Apr   Jun »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Goodreads

Livro do mês

Follow Illusionary Pleasure on WordPress.com

IL Buttons

%d bloggers like this: