Beowulf & Shakespeare

Beowulf
Anónimo
Tradução do Old English: Charles W. Kennedy
Género: Poema épico
Páginas: 121 (poema só tem 99 páginas)
Editora: Oxford University Press

(classificação em comparação aos Nibelungos)

Todos conhecem a história do Beowulf, tal como “Das Nibelungenlied” é quase impossível não saber da história de Siegfried e Kriemhilt ou de Beowulf e Grendel, nem que seja devido às recentes adaptações para o cinema. No entanto das pessoas que conhecem as lendas apenas 5% devem ter lido estes dois poemas épicos, à custa de uma licenciatura em Literatura Inglesa. Ao contrário do poema medieval alemão “Nibelungenlied”, que conta a história do declínio de um povo inteiro, “Beowulf” conta apenas a história deste herói oriundo de Geats (Suécia) que viaja até à Dinamarca para ajudar o rei Hrothgar a matar o monstro Grendel, mais tarde consegue também destruir a sua mãe, descrita como uma troll, embora sem nome próprio. Estudos recentes apontam para que talvez a mãe de Grendel, signifique uma valquíria ou uma mulher guerreira.
O poema é marcado pelas sucessivas batalhas que Beowulf terá de superar: Grendel, mãe de Grendel e por fim um dragão e pelos funerais que se seguem. Ao longo do poema valores e comportamentos sociais manifestamente alemães, como lealdade, moral e honra. Quase no fim da sua vida, Beowulf depara-se com uma divisão moral para com o seu comportamento: deverá ele lutar contra o dragão e arriscar a sua coroa, sem herdeiro directo ou deverá, como bom rei esperar por um outro herói para cumprir essa função? A resposta reside na memória. Se Beowulf ficar quieto, o seu nome poderá arriscar a ser apagado das lendas, por outro lado se arriscar e morrer, essa morte deverá ser lamentada e cantada, entranhando-se na memória da Humanidade e não deixar que a morte do rei seja em vão.
Um poema épico maravilhoso, mas que se compararmos com “Das Nibelungenlied” fica a perder.
Não existe tradução para português (de Portugal). Tenho quase a certeza que existe em Brasileiro, tal como os Nibelungos, cuja única tradução para português, é Português do Brasil.




The Tempest
William Shakespeare
Género: Drama/ Comédia
Páginas: 126 (das quais 98 são a peça em si)
Editora: Wordsworth Classics
Uma peça tardia de Shakespeare que aborda temas como colonialismo, escravatura, onde não se dá tanta atenção à fantasia e ao papel das mulheres. Prospero, duque de Milão foi alvo de traição por parte do seu irmão, levado para uma ilha com a sua filha pequena. Passados anos Prospero consegue com a ajuda de Ariel, um espírito assexuado criar um naufrágio para os causadores do seu infortúnio ficarem loucos naquela ilha. Uma peça longe da perfeição e uma das mais fraquitas a nível de diálogos, mesmo assim ainda tem força suficiente para andar das pernas. Desde as falhas no sistema jurídico, à clara divisão entre homens e monstros e senhores e servos, Shakespeare consegue com algum humor engrenar uma peça boa de vingança, onde o amor também consegue ocupar espaço.
Advertisements

About Adeselna Davies

Occasionally works as an English and German teacher, also loves to read all kind of books and wish someone would pay her to read and write reviews forever. She is also a magazine designer and writes short-stories.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Blog stats

NetGalley Wellness Challenge

July 2010
M T W T F S S
« Jun   Aug »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Goodreads

Livro do mês

Follow Illusionary Pleasure on WordPress.com

IL Buttons

%d bloggers like this: